Presidente da Petrobras diz que fundo com dividendos poderia ajudar a regular preços de combustíveis

24/11/2021 – O presidente da Petrobras, general Joaquim Silva e Luna, disse nesta terça-feira,23, em audiência na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal para explicar a alta do preço dos combustíveis, que a Petrobras não é um monopólio e que já existem vários concorrentes no setor de combustíveis, citando Vibra, Ipiranga, Raízen e Atem.

Ele afirmou que a criação de um fundo estabilizador usando os dividendos da Petrobras, que serão recorde este ano, poderia ajudar a reduzir a volatilidade do preço dos derivados do petróleo no mercado interno. “A alta de preços dos combustíveis não corresponde à Petrobras e está sendo colocada na conta dela”, disse.

Luna, porém, alertou que a estatal não é a instância correta para a cobrança de criação do fundo, já que se trata de política pública. “A Petrobras contribuiu, mas é um tema que cabe ao Ministério da Economia e ao Congresso, mas é uma solução interessante em um momento de dificuldade.”

Segundo ele, a empresa está há 30 dias sem reajustar os combustíveis e que analisa se fará um reajuste para baixo.

Aumento no preço do gás natural

O fim dos contratos de gás natural estão levando a Petrobras a negociar com distribuidores, informou Luna. De acordo com o presidente da estatal, nos últimos seis meses o gás natural subiu 600% no mercado internacional, em um momento em que a companhia está renovando os contratos sob a Nova Lei do Gás, aprovada em março deste ano.

Ele afirmou que a revisão dos contratos está ocorrendo sem desentendimentos e que o Ministério de Minas e Energia (MME) está acompanhando as negociações. “Existem contratos em relação ao gás natural que estão sendo encerrados, mas não há desentendimentos. O MME tem acompanhado esse processo conosco para chegar a uma solução sem nenhum conflito.”

Fonte: O Estado de S. Paulo*
*Extraído do site: Fecombustiveis