Deputados de MG apresentam PL para que postos mostrem valor ambiental do etanol

27/07/2020 – Os deputados de Minas Gerais, Antônio Carlos Arantes (PSDB) e Gil Pereira (PSD) apresentaram ontem (22) dois projetos de lei, que obrigam os postos de combustíveis a informar na bomba de abastecimento, ao lado do preço, que o etanol emite entre 80 e 90% menos de gases poluentes na atmosfera do que  gasolina. Os Projetos de Lei são: PL 2.109/2020 e PL 2112/2020, respectivamente.

O deputado Arantes justificou que a medida é para estimular o consumo de etanol, um biocombustível renovável, sustentável, e com menor incidência de prejuízos ao meio ambiente. “Os consumidores de etanol só têm a ganhar, assim como a nossa atmosfera, o nosso clima, a nossa saúde, e o nosso bolso. Além do mais, gera emprego e renda nas terras mineiras incentivando a produção de cana e de açúcar. Temos que pensar no que é melhor para nossas vidas e fazer a escolha certa na hora de abastecer” afirmou.

LANÇAMENTO: saiba como REDUZIR as DESPESAS na sua empresa com BI. Conheça agora!

Já o deputado Gil Pereira ressaltou que os postos de combustíveis em Minas Gerais ficam obrigados a manter, em local visível ao consumidor, placa informativa da quantidade de emissão de gases de efeito estufa por litro para cada tipo de combustível. Para justificar o projeto de lei, ele destacou uma pesquisa realizada pela UNICA – União da Indústria de São Paulo, mostrando que o uso do etanol nos automóveis no Brasil, nos últimos 17 anos, evitou a emissão de uma quantidade de dióxido de carbono equivalente ao peso de 100 milhões de elefantes.

Com o uso do etanol, no total, deixaram de ser emitidos cerca de 515 milhões de toneladas de gases de efeito estufa, desde o lançamento dos carros flex no Brasil em 2003. Esse biocombustível, produzido a partir da cana-de-açúcar, é capaz de reduzir as emissões em até 90% quando comparado com a gasolina, além de zerar a dispersão poluentes nociva à saúde.

Fonte: Assessoria dos Dep. Antônio Carlos Arantes e Gil Pereira – 23/07*

*Extraído do site Minaspetro